sábado, 27 de maio de 2017

Um café e um sorriso

E de uma menina cheia de sonhos e ilusões, muito romântica nasceu uma mulher prática, sem romantismo algum, já calejada pelas farpas da vida.
No entanto o amor renasce em seu coração.
Foi um café o responsável.
O café, uma foto e um sorriso.
E tudo se transformou.
Então renasceu daquela mulher uma nova e cheia de sonhos e com o romantismo a lhe enfeitar a vista.

Dag Veloso




domingo, 21 de maio de 2017

Outono

Campos do Jordão

Outono é minha estação favorita.
Dias perfeitos, o vento parece cantarolar, é um período de romantismo ímpar.
Apesar de ser a primavera a estação das cores é o outono que traz aquela sensação de aconchego, aproximação e união.
Esse ano meu outono foi marcado pelas lindas folhas europeias de Campos do Jordão, cenário romântico e inesquecível.
Vivi muitas coisas mas nada se compara ao que vivi naqueles dias em Campos e jamais esquecerei as lindas paisagens, o friozinho elegante, sua arquitetura campestre e tudo lá foi perfeito.
Gostaria que aqueles dias nunca tivessem se acabado.
Mas como tudo, aquilo também se foi e hoje é só uma doce lembrança.
A vida segue, as lutas chegam e os doces momentos ficam pra que jamais esqueçamos de que um dia a história fora perfeita.
Sempre sentirei sua falta.

Dag Veloso 

Escrever e viver

Sinceramente eu amo escrever e faço isso razoavelmente bem, o suficiente pra passar naquilo que escrevo tudo aquilo que sinto.
As situações de minha vida me ensinam ou me fazem pensar e repensar e então eu escrevo.
Não é sobre você ou outra pessoa mas sobre mim e tudo o que sinto.
Alguns se identificam tanto que tomam como pessoal, me excluem, já teve quem tirou satisfação e eu, nem de longe, havia pensado na pessoa...rss Faz parte!
Mas é sempre sobre mim.
Desde pequena gostava de diários, tinha poucas amigas por conta da timidez exagerada e era muito fechada, encontrava na caneta um guia e no papel uma pousada reconfortante, talvez meu verdadeiro lar.
No dia 10 de junho de 2005 alguém me perguntou se eu precisava de algo, eu estava imóvel numa cama de hospital e provavelmente não voltaria a andar e eu pedi apenas um caderno e uma caneta.
Escrevia tudo que sentia ali, dia após dia entre lágrimas e dores.
Anos depois (graças à Deus andando) fui apresentada ao mundo maravilho (talvez não tão maravilhoso) do blog. Foi quando passei a escrever aqui, pelo menos aquilo que mais marcou minha vida.
Nem todos entendem, nem todos aceitam.
Passei por três relacionamentos e todos tentaram tirar de mim a "caneta".
Eu até cogitei em largar mas aquilo que eles também poderiam parar por minha causa nem cogitaram em fazer. E hoje percebo como é simples me amar, porque me doo, eu abro mão, até mesmo daquilo que mais amo consigo considerar abrir mão.
Mas não vale a pena, ninguém vale ou se faz valer o sacrifício.
E eu não me importo se pra alguns soa ridículo o que escrevo, se me exponho por ser sincera ou intensa, pode até parecer idiotice mas pra mim não é, escrever é minha vida e por ninguém vou parar.
Saibam que um escritor começa a morrer no dia que parar de escrever e ainda não faço planos de parar de viver, ou escrever.
E essa sou eu, isso são as "Coisas de Daguinha".


Dag Veloso


terça-feira, 18 de abril de 2017

Viajando com a solidão


Com o tempo você percebe que a solidão é uma boa companhia, aprende que cantar desafinado é bem legal (desde que ninguém te ouça rss), que acender as luzes em plena madrugada e agir como se fosse meio dia só e possível sozinha e que sua melhor e mais leal companhia é você mesma.
E no som do silêncio você se percebe feliz, não precisar ouvir lamentações de ninguém e também não tem quem te contrarie, se quiser chorar não haverá ninguém pra te pedir que pare, se quiser rir pode gargalhar em qualquer volume ou horário.
Na verdade a solidão realmente é uma ótima companheira de viagem, como já disse Nizan Guanaes. Embora ele também completou dizendo que a mesma não seria boa conselheira mas depois de tantas coisas que passamos durante a vida, creio que podemos dispensar os conselhos.
Eu sempre vivi muito bem sozinha mas sinto falta de família, do porto seguro, alguém pra quem voltar no fim do dia ou pra eu esperar, talvez pra voltarmos juntos, até.
Mas não se pode ter tudo, acho que o fato de eu gostar da minha própria companhia já me dá vantagens extras sobre as outras pessoas, não é mesmo?
No fim, continuo minha viagem, olhando a paisagem, admirando as crianças e os bichos, olhando os casais de mãos dadas, tirando fotos e também escrevendo sobre as pedras.

Dag Veloso


domingo, 9 de abril de 2017

Victor

O placar marcava 2X2 quando numa breve e íntima oração pedi à Deus que lhes desse a vitória e instantaneamente a resposta veio e foi ao olhar meu sobrinho jogando com tanta garra que entendi que o resultado exposto num placar não determinaria a vitória pois a vitória já está com ele, aliás a vitória pertence à ele desde sua essência até seu nome: Victor.
Comecei a chorar de emoção ao ver algo tão claro.
Me vi ali, milagrosamente, assistindo a um jogo de meu sobrinho depois de ter sido condenada a morte tantas vezes por médicos pessimistas.
Aí está a vitória, participar de mais um momento do meu sobrinho, isso é que chamo de vitória.
O placar... Bem, o placar foi de 6X2 para o time do meu sobrinho mas foi antes do final do jogo que entendi qual era a verdadeira vitória; estar ali, estarmos ali.
Obrigada Senhor, por mais esse momento de vida pois por milagre estou aqui e à Ti seja toda glória pela minha vida.

Dag Veloso

Victor é um dos meus maiores presentes, é parte da coroa 
da minha vitória.




sábado, 25 de março de 2017

Encontros de vida

Estava pensando em como a vida é estranha.
"Hoje" (11 de março) viajei no tempo, num tempo que nunca existiu. Fiz algo que nunca fiz e que deveria ter feito há muito tempo, ficar de bobeira na praça com o namorado em plena tarde de sábado. Depois de beijos bem provocantes eu o olhei e percebi que aquilo que estava vivendo naquele momento era algo inusitado, fora da minha idade, já passei bem do tempo de viver essas coisas e só agora estou vivendo-as.
É um misto de sentimentos, eles chegam a me confundir, me fazem quase enlouquecer no meio dos pensamentos, às vezes, insanos até.
A vida é cheia de desencontros mesmo, passamos por várias pessoas e muitas não mais veremos, outras acabamos esbarrando sem sequer pensar que seria possível tal encontro, modificamos a vida das pessoas com um simples sim que nem sempre deveríamos dizê-lo.
Eu sempre me sinto responsável por envolver pessoas em minha vida, talvez seja egoísmo, talvez preocupação, talvez orgulho, depende do momento e da pessoa mas sempre penso que estou interferindo na vida de outros e não sei se positivamente.
Aprendi tanta coisa sobre a vida nos últimos anos e, não sei se infelizmente, aprendi pela dor.
Quem disse que não se pode aprender com a dor?
Eu aprendi a sorrir, aprendi a chorar, me emocionar, aprendi a olhar as pessoas, observar situações, ainda não sei esperar e nem ser contrariada, aliás, não gostar de ser contrariada veio a piorar depois da doença... risos
Sabe aquela coisa de dizer: Poxa! Já me ferrei tanto o que que essa pessoa tá me dizendo??? Nem que eu esteja errada, tem mais é que me dar razão! kkkkkkkk
Sei que as coisas não funcionam desse jeito e muitas vezes me pego brava por alguém ter sido duro comigo, brigo, esbravejo mas no fim eu sempre entendo o que preciso entender.
Eita! Estou com tanto sono mas as palavras começaram a brincar na minha cabeça e não deu pra eu ficar lá deitada, não.
Estou aqui de novo colocando meus jogos de palavras no blog.
Hoje as palavras são: Desencontros, interferência, essas são as principais porque, na verdade, as palavras dançam na minha mente, se encontram com muita facilidade e se desencontram da mesma maneira, é uma doce imaginação, sutil insanidade, total paixão pela letra.
Eu amo tanto viver!

Dag Veloso


sexta-feira, 24 de março de 2017

Eu te amo... de novo???

Sim, esse tema é sempre muito falado por mim e, ora bolas, eu amo o amor e ele tem tudo a ver comigo.... rsss
Algumas pessoas passam a vida procurando por algo que nem sabem direito o que seja mas eu sempre almejei o verdadeiro amor.
Eu já não sei se amei, tenho muitas dúvidas sobre o assunto.
Tudo que provei até hoje pensando ser amor era algo aprisionador, pesado, não acredito ter sido amor pois quando a gente ama, só se entrega e relaxa, aproveita, curte, ri, sonha, deixa tudo leve e não se faz pesado pra quem ama.
É algo iluminado, que flui, uma troca perfeita e harmônica de sentimentos, sintonia pura e simples.
O amor é delicioso, te faz querer viver feliz e não importa o que aconteça de repente você está sorrindo pro nada e pensando naquele a quem ama.
E você conversa com as paredes sobre o assunto, faz planos de estar junto, não se importa com a marca do fogão ou o piso da casa, aliás não se importa nem se terá uma casa, tudo que se quer é ficar ao lado do amado.
Demorei anos pra entender que o amor é uma construção dia a dia, ele se faz desde ao acordar até ao anoitecer e se refaz no próximo dia e é assim enquanto estiver disposto a construí-lo e estando disposto ele ficará cada vez mais forte.
Na Bíblia existe um versículo que diz que o amor é tão forte quanto a morte. A morte é uma fortaleza pois ninguém a detém, ela é o fim e o começo, a passagem, pra alguns a liberdade, pra outros a prisão eterna e o amor é forte tal qual pois quando ele existe não há quem o vença, porém anda na contramão de direção, pois é só libertador e traz vida.
Creio que esse versículo pode ser muito explorado, repensado, meditado e pode ser responsável por inspirar inúmeros textos a quem quiser escrever sobre o assunto.
Quando o amor acontece você não pondera, não olha seus interesses e não age racionalmente o tempo todo, você só se entrega e quando for o certo você se sentirá a certa também.
Não há condenação para aqueles que amam mas somente para aqueles que brincam com o amor, portanto, tome cuidado com tudo que faz e diz, existe uma responsabilidade sobre esse sentimento, ele é sagrado, não se pode brincar com o amor.

Dag Veloso