quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Grata à quê?

Hoje soube do casamento da filha mais velha do meu antigo médico, tenho certeza de que foi lindo até mesmo pela beleza da própria moça tão encantadora que é.
Só que não pude evitar de lembrar da vez que ele riu por eu ter ficado estéril e o imaginei levando-a ao altar, realizando um dos sonhos dela, talvez o dele mesmo, inevitavelmente o que se espera após uma união matrimonial, mesmo que não de imediato, é a dádiva do filho ou filhos.
Não pude conter meus pensamentos e indaguei: _Que tipo de ser humano sorri diante de suas realizações tendo destruído ou zombado dos sonhos de outra pessoa?
Foram tantas as vezes, foram tantos sonhos que escapuliram de minhas mãos, meu coração foi dilacerado impiedosamente e a cada tristeza lá vinham as pessoas me dizendo que eu devia ser grata.
Grata à quê?
Me diga você, a que devo agradecer?
No auge dos meus sonhos e antes mesmo de concretizá-los os perdi: saúde, casamento, filhos, juventude, viço...
É muito simples pessoas virem me dizer que tenho que ser grata quando suas vidas são quase como contos de fadas.
Não, eu não estou sendo ingrata agora, também não estou desejando coisas ruins pra ninguém até mesmo por conhecer essa moça e saber que ela é um anjo. Apenas estou indignada com a maneira como fui tratada e não somente uma vez mas muitas.
Esse mesmo homem tantas vezes segurou minhas mãos e me fez crer que se importava, me conquistou com seu jeito brincalhão mas assim como meus sonhos também a amizade dele era uma ilusão.
As coisas que vivo ainda não são de todo mal, estou como ele mesmo me disse certa vez, sobrevivendo e sobrevivendo bem. Mas tudo que me foi feito ou dito foi com injustiça porque eu já estava no fundo do poço e não havia necessidade de qualquer pessoa tripudiar.
Agradeço, sim, pelas tantas chances que tive e ainda tenho mas não venha ninguém me dizer que devo ser grata quando não passam pelo mesmo que eu passei. A dor do câncer acrescida à dor da alma só quem já sentiu sabe como é e não aceito que mais ninguém me fale que tenho de ser grata quando vejo pessoas insensíveis fazerem exatamente as coisas que se alegraram serem impossíveis pra mim.
Sou grata, sim, mas não me conformo quando, nem ao menos, recebo um pedido de desculpas.

Dag Veloso



2012

2012 está acabando e foi um ano incrível, não posso reclamar pois foi um bom ano mesmo com as dificuldades.
Desde fevereiro quando aniversariei me foi dito que seria meu ano, uma nova história começava a ser escrita e Deus me restituiria algo perdido.
Foram muitas coisas que perdi mas nem todas eram pertencentes à mim e se foram tarde, e não fazem falta.
A única coisa que sei que é minha e me foi tirada, foi a saúde, o resto que perdi nada era meu, de fato.
Minha história começou a mudar uma semana após meu aniversário quando no hospital em que fazia tratamento fui destratada por uma médica. Naquele dia eu fiquei tão perdida que me sentei num canteiro de frente ao estacionamento do hospital e com a cabeça entre meus braços cruzados chorei como uma criança perdida da mãe. Naquele momento em meio ao choro, orei à Deus pedindo que me tirasse dali pois não aguentava mais tanta pressão e tanto descaso.
Não precisei brigar, apenas encontrei nas pessoas o auxílio do próprio Deus que me tirou de lá no mesmo mês.
Eu espero que um dia os médicos entendam que, nós pacientes, somos seres humanos e temos medos, temos ansiedades, incertezas, instabilidades emocionais; ora por medicamentos, ora pela doença, ora por insegurança mesmo. Não entendo como seres humanos com tanta habilidade, tanta inteligência podem nos tratar como se não existíssemos, como se fôssemos nada.
Na minha lista de coisas a serem realizadas, essa é uma delas, que os médicos nos sintam como seres humanos que querem confiar neles, que precisam deles, que precisam de defensores reais, pessoas que lutem por nós porque estamos fragilizados no meio de nossa guerra íntima com um inimigo que nos consome sem misericórdia alguma.
Mas foi após aqueles dias tão decisivos que eu passei a ver portas se abrirem, oportunidades, pessoas e passei a me ver como um ser humano autêntico, coisa que o mieloma não me deixava mais ver.
Quando se tem uma doença, principalmente se for incurável, você se funde à ela, faz parte dela e ela de você, não deveria ser assim mas é o que acontece com algumas pessoas (aconteceu comigo) e depois de um tempo fica impressionado quando entende que ela não faz parte de você, nunca fará, é uma intrusa e deve ser despachada o quanto antes.
Por algum tempo eu me fundi e confundi com o mieloma mas ele não é Dagmar, é só uma doença que não me acrescentou nada, apenas pude, através da situação, aprender coisas e conhecer pessoas muito importantes.
2012 foi marcado por novas esperanças, novas sensações de medo, alegria, raiva, amor, paixão, decepção, pude sentir a vida durante todo esse ano, senti minha existência pura e simples a cada dia.
Experimento agora uma nova sensação, a expectativa pelo próximo ano. Nunca em toda minha vida tive tanta ansiedade pelo novo ano, por saber o que será, que história escreverei, que tipo de situações Deus me permitirá viver, que milagre acontecerá...
Estou com medo de 2013?
Pra ser sincera eu não queria que o ano acabasse, meus dias foram bons e não tenho pressa do amanhã mas eles correm com uma agilidade sem par e agora estamos às portas de um novo ano. Não há como retroceder, apenas ir em frente.
Estou desejosa de uma vida melhor e hoje em dia existe apenas um único sonho que preciso realizar pra dizer que valeu a pena tudo isso mas ainda nem sombra dele.
Quem sabe em 2013?!
Meu Deus! Abençoa meus dias, seja minha saúde, seja minha paz, seja meu tudo.

Dag Veloso




sábado, 15 de dezembro de 2012

Voltando pra casa

Eu vou sentir saudade
do verde que veste a terra,
do azul que disfarça o infinito,
da água que corre,
da que também cai.
Água que sacia a sede
também limpa e refresca.

Sentirei falta da brisa
nos dias quentes de verão,
do ar da manhã,
da sinfonia das aves,
das montanhas que saltam à vista
com tamanha formosura.

Sentirei falta das rochas
com suas formas peculiares.
Das lindas flores tão frágeis.
Das noites iluminadas e
também das escuras.
Sentirei falta, sim, de tudo isso.

"Voltando pra casa" e olhando a paisagem, descrevi algumas coisas que eu amo e que não gostaria de ficar sem, só não me permiti imaginar ficar sem os que eu amo.
Muitas vezes passamos pela vida sem percebê-la...
Voltar pra casa pode me fazer perceber isso tudo ou me fazer sentir saudade disso tudo.
Voltarei pra casa em breve.

Dag Veloso







Depois da janela

Texto escrito dia 04 de dezembro de 2012.

Mais um dia, mais um exame, rotineiro mesmo assim incomodo e logo que saí resolvi tomar meu café no banco da praça do hospital e avistei várias janelas, muitas delas fechadas o que me inspirou os pensamentos.
Viajei através daquelas janelas.
O que elas representam?
O que há por trás delas?
Dor? Medo? Tristeza? Esperança? Será que a própria morte?
Não sei, porém já estive do outro lado da janela e não podia contemplar o azul do céu, nem o verde do jardim. Me agarrava ao relógio pra não deixar de fazer parte do tempo ou ele de mim.
Hoje estou deste lado da janela, contemplando tudo com olhos atentos e sedentos mas também a janela ainda posso ver, ela ainda está em algum lugar, de vez em quando a vejo e me lembro de como é estar do outro lado.
Eu penso que sempre há o que aprender e o fato de eu sempre esbarrar com ela deve ter um motivo bastante importante.
Todas elas representam o desconhecido, o inesperado, limitação, talvez o fim, todas são incógnitas, o melhor é estar sempre do lado de fora, junto ao jardim, debaixo do céu, sentindo o calor do sol ou admirando a beleza da lua e estrelas.
Não sei se em sua vida você se depara com alguma "janela" mas minha janela, essa mesmo, representa a delicadeza e fragilidade da vida.
Viver a vida é muito mais que fazer coisas extraordinárias, tem que senti-la o tempo todo, tem que amar, prestar atenção...









Dag Veloso

(As fotos deste texto foram tiradas por Dag Veloso)

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Dia de Glória, ou seja, Dagmar

Ontem estava pronta pra ir à casa da minha amiga Cláudia Bueno e Douglas Silva em Mineiros do Tietê quando decidi que iria, pela primeira vez, sair de moto na estrada. Por se tratar de um trecho bem curto embora de pista simples mas curto, resolvi ir. Não contei pra ninguém, nem mesmo pra ela, pois sabia que meus amigos super protetores não me deixariam ir, o que nunca faz diferença porque sempre acabo fazendo do meu jeito... rsss
Bem, eu saí mais cedo pra no caso de desistir dar tempo de voltar pra guardar a moto e ir pra lá sem que atrapalhasse o horário que havia combinado.
Sei que quando estava chegando perto do Masieiro (Metalúrgica), vi alguns carros e caminhões passarem na pista e até pensei em desistir mas, vamos combinar, desistir não é muito minha cara e então eu simplesmente fui.
O percurso não chega a meia hora e facilmente cheguei à cidade deles.
Quando lá cheguei uma sensação de EU POSSO me invadiu, foi como se tivesse feito algo tremendamente difícil, como se tivesse atravessado um oceano ou mesmo o mundo inteiro.
Sim, lá vou eu de novo com aquelas minhas histórias corriqueiras que ninguém entende o valor tão alto que as dou.
Pois é, eu tenho muitos medos adquiridos pelas situações que vivi com o mieloma, minha insegurança com a vida é como alguém que segura um cristal muito valioso com uma única mão e ainda ensaboada.
Foram muitas as vezes que não tive certeza de que conseguiria e já desisti de várias coisas, sim. Não sou tão persistente quanto pareço diante de minhas publicações. Muitas vezes não gosto da sensação que isso traz e não quero esse sentimento continuamente em mim.
Eu amei a sensação de liberdade que me causou ter feito isso, a sensação de poder fazer o que não era provável que eu fizesse.
Sei que é complicado pra quem me ama entender o porquê de eu fazer coisas desse tipo, sei que se preocupam comigo, como meu irmão Douglas Veloso que pediu pra eu tomar jeito e ir com mais calma. Eu entendo o que se passa na cabeça dele e de outras pessoas que se preocupam e talvez eles ainda não tenham parado pra tentar entender o que se passa na minha cabeça; no meu coração.
Eu necessito de momentos assim, saber que eu posso, que ainda estou viva.
Como no dia que voltei de São Paulo em 10 de junho deste ano, vim de carona com um amigo e ele me deixou vir dirigindo o carro dele. Pra quem não sabe eu só tirei carta de moto, não sei dirigir carro e ele me ensinou em plena estrada. Isso é algo bem comum, eu sei. Existem muitas pessoas que dirigem sem ter carta e aprendem fora da auto escola mas a questão é que no dia 10 de junho eu completava 7 anos do dia que havia sido internada pela primeira vez no Amaral Carvalho com o diagnóstico de câncer.
7 anos depois do que me pareceu ser uma sentença de morte eu estava ali, dirigindo um carro de volta pra minha casa.
Imagina o que eu sinto quando faço algo assim!!
Eu me sinto um milagre e quando estou desanimando ou entristecendo-me com algo necessito coisas assim pra entender que eu ainda posso.
As coisas podem não ser como eu sonhei mas eu ainda posso, as coisas podem ter se perdido após o mieloma mas eu ainda estou aqui.
Simples assim, essa sou eu, Dag, que vive o dia de hoje que Deus me dá e, podem crer, Ele foi e voltou comigo em cima, na frente, atrás e dos lados da minha pequena moto que também fora presente dEle.
Quanto aos perigos, quer maior perigo que se ter uma doença dentro de si onde os médicos te dizem que pode voltar sem ter o que fazer?
E seu puder escolher entre morrer numa moto com a sensação de liberdade ou numa cama de hospital agonizando, o que acham que eu escolherei?
No entanto não penso na morte dessa ou daquela forma quando eu faço essas coisas, penso na vida, o que é a vida senão um sopro que um dia sessa?
Eu não tenho tanto viço de juventude que me permita fazer essas coisas todos os dias, não é sempre que estou bem ou mesmo disposta pra isso mas quando Deus me presenteia com dias de grande intensidade não seria boba de ficar em casa dormindo, né?
Ahhhhhh! E ainda não tenho a Habilitação, estou só com a Permissão Para Dirigir... rsss
O que digo agora é que vivam suas vidas com muito amor, amor ao próximo, amor à si mesmo e principalmente amor à Deus e mesmo em meio à lutas, tudo lhe servirá por vitória, suas lágrimas se tornarão como diamantes, seu desespero se mudará em esperança, sua tristeza será substituída pela alegria da Salvação em Jesus.

Dag Veloso


domingo, 11 de novembro de 2012

Pare e dê atenção

O mundo está sedento de atenção, todos procuram a mesma coisa e quase ninguém encontra, até mesmo por não prestar atenção ao próximo. 
As pessoas passam a vida se queixando disso e daquilo e não percebem que a maior parte de seus problemas sentimentais são reflexos do que elas mesmas fazem. 
Pare de emburrar com qualquer coisa, pare de guardar raiva por besteiras, pare de apontar o dedo pra coisas que já se passaram, a vida é tão pequena, pequena no sentido de curta e frágil, hoje estamos aqui e amanhã não mais mas não se pode prever e somente quando se para de viver como se fosse imortal é que aprendemos a dar atenção devida às coisas realmente importantes.
Eu vou continuar eu mesma, vou continuar tentando dar carinho e amizade à todos que passarem por meu caminho e não vou me sentir mal por isso pois é isso que Deus espera de nós, que nos amemos uns aos outros do jeito que Ele nos ama, pode crer, por mais que eu faça não chegarei ao amor que Ele sente por você, por mim, por nós... 


Dag Veloso





Esposas e esposos

Esposas e esposos, eu estava pensando e decidi deixar um texto como conselho de amiga. 
Sabe? Eu já fui casada e nunca foi minha vontade que meu casamento se acabasse mas eu entendo que mesmo isso me veio pra entendimento pois hoje eu sei bem onde acertei e errei. 
Mas o conselho que deixo à vocês é que; pra cada insulto que você faz pra seu esposo ou esposa tem uma mulher ou homem mal intencionado pra elogiar do lado de fora de sua casa. 
Nunca deixe seu cônjuge sair de casa com uma tristeza ou um problema mal resolvido. 
Pra cada olhar de desprezo que você dirigir à ele ou ela tem um olhar de admiração lá fora, pra cada erro apontado por ti tem uma qualidade notada pelos outros. 
Não deixem de andar ao lado de seus companheiros, não viajem sozinhos, evitem ao máximo as exposições às tentações. 
O casamento é cheio de desgastes emocionais e é um grande desafio mas pode ser maravilhoso se usar de sabedoria e, vamos admitir, se estender suas mãos pra oferecer uma flor não receberá em troca uma agressão. 
Casamento tem muito valor e apenas uma infidelidade o desfaz diante de Deus, lute por ele. 

Dag Veloso 



terça-feira, 30 de outubro de 2012

Boba

Sem medo de parecer ou ser boba.
Ainda sem sono e pensando em coisas especiais que vivi na última semana, tive que voltar aqui pra escrever.
"Eu andava meio perdida", me parece que já escrevi isso antes e é verdade, estava meio sem saber sobre mim, o que realmente sou e o que quero pra minha vida então em meio a lágrimas escondidas e choro abafado por travesseiros entendi que eu sou Dag, a mesma de 36 anos atrás quando ainda bebê, a mesma menina cheia de sonhos que brincava de bonecas quando criança, também sou aquela que acreditou no amor e apostou tudo nesse sentimento, que lutou e perdeu, depois lutou de novo e venceu, aquela que gosta de dar carinho para os amigos, que gosta de ouvir, guarda segredos mil de um e outro, sou a mesma que sonha com o amor verdadeiro.
Sabe aquele amor que te faz querer acordar mais cedo pra ver dormindo o amado? Aquele amor que te faz pensar que tudo é lindo mesmo quando os outros enxergam escuridão ou flores murchas, o amor que tem aroma, cor, saber até!
Ainda sou aquela Dag que acredita que tudo pode ser quando se quer realmente.
Não a mulher moderna e prática mas a romântica que espera que tudo um dia seja perfeito dentro de suas imperfeições.
Eu estava escondida, talvez com medo de ser autêntica, medo das represálias, medo da sociedade, medo de você me achar boba.
Pois bem, sou boba mesmo, se bobeira significa acreditar no amor então sou a mais boba das bobas.
Esse é meu dom, eu amo e estou em paz no que sinto, sem cobranças, sem desespero, apenas vou amando ao meu próximo como se tem que fazer e, naturalmente, sendo amada do mesmo jeito e quando menos eu esperar ele virá, ele que também acredita que amor se mede pela eternidade, que o "amor é bom e sofredor, não dá lugar pra inveja, não é banal ou vulgar, nem orgulhoso, nada indecente e nem interesseiro, nem irritadiço e desconfiado, não se alegra com injustiça mas fica feliz com a verdade, o amor tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta" (I Cor 13:4-8), esse amor que é paciente e generoso, que não é rancoroso e nem ciumento, é nesse amor que eu acredito e é esse que eu quero.
Acreditando no amor sempre, essa é Dag Veloso; essa sou eu.
Acredite você também, sempre dá tempo.





Dag Veloso


quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Deus é contigo

Os porta retratos ficaram quando todos cresceram e se foram. 
Naquelas singelas fotos já amareladas pelo tempo tudo ainda estava igual mas fora delas, alguns se foram pela vida, outros da vida e tudo que te sobrou foram os porta retratos. 
O tempo vai e as coisas mudam mas Deus, nunca muda e Ele não está num porta retrato, está vivo e presente em cada dia de sua vida. 
Não temas, Ele está contigo. 
Tudo passa, tudo muda, as pessoas se vão mas Deus sempre permanece. 



Dag Veloso 

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Sempre Dag Veloso



Aqui também sou eu, mesmo gordinha ou inchada, não deixei de ser eu.
Eu gosto muito de fotos porque elas revelam o que parecemos, num dia estamos bem e em outro nem tanto, voltamos a ser como antes mas algo permanece pra contar o tempo e a história. 
Devemos nos gostar, sim, mas nunca pensar somente no que é aparente pois num dia você tem 1,69 de altura e no outro 1,63, um dia pesa 63kg e no outro 73 mas o que somos não engorda, não adoece, não diminui de tamanho, o que somos está no profundo do nosso ser e só quem nos ama consegue ver. 
Se sou feia ou bela, isso sou em qualquer momento de minha vida mas o que sou no profundo da minh'alma sempre será bonito. 



Importa o momento que está vivendo, sei disso, a dor é cruel e o medo imenso mas também importa que Deus está segurando sua mão e isso tudo vai passar. 
VAI PASSAR, CONFIA EM DEUS, SOMENTE CONFIA! 
Dag Veloso


As crianças e a internet

O que vou escrever aqui não é segredo pra ninguém e nem mesmo novidade.
Hoje fui procurada por um garoto da minha rua pra ajudá-lo no trabalho de escola o qual deveria falar exatamente sobre isso: Crianças e internet.
No final ele me pediu pra colocar meu nome e o endereço de meu blog e um estalo me veio: _Por que não colocar isso no blog?
Afinal é um assunto importante e eu sou rodeada de lindas crianças como esse menino, o Guilherme, e não gostaria que nada e ninguém os ferissem.
Então falando sobre internet e crianças, tudo que sei e entendo é que a inocência e a curiosidade das crianças aliada à esse instrumento incrível de pesquisa e relacionamento pode se tornar uma grande armadilha, um real perigo aos nossos pequenos.
Deixar uma criança sem monitoramento na internet por longos períodos é tão ou mais perigoso que deixá-la num beco ou numa rua onde se encontre prostituição e drogas.
Dos grandes perigos o que é mais notório ou mais comum é a pornografia e a infantil, embora seja mais difícil de encontrar também existe.
Pode-se encontrar também sites onde incitam à prática de racismo ou o incentivo à violência e ódio aos estrangeiros, índios, mendigos etc, sites que influenciam o desrespeito ou violação às leis e sites de encontros com pessoas desconhecidas; através da internet criminosos atuam no tráfico de crianças.
Por conta disso é importante que as crianças sejam orientadas, não proibidas mas orientadas, a não visualizarem sites estranhos dos que lhe forem permitidos ou sugeridos por pessoas confiáveis.
É de grande importância que os pais nutram um relacionamento de confiança com seus filhos, os alertando sobre os males da internet.
 Pra que dificultemos o acesso desses marginas às nossas crianças, as orientações básicas são:

  • Nunca diga suas senhas à ninguém; 
  • não dê informações pessoais à ninguém pela internet: nome completo, idade, endereço, números de telefone e celular, fotos etc: 
  • não abra emails de pessoas que não conhece, correndo o risco de ser, no mínimo, um vírus;
  • não entre em chats; 
  • e jamais encontre "amigos" feitos na internet sem a companhia de seus pais pois nunca se sabe com quem pode estar realmente conversando. 
Essas são simples informações que podem tirar seus filhos da situação de vítimas nas mãos de delinquentes sexuais ou das drogas mas, com ou sem esses cuidados, nunca deixem de conversar com seus filhos, uma boa conversa pode mudar todo o rumo de uma história.

Dag Veloso

"As crianças são o bem mais precioso que, nós adultos, podemos ter e elas não são eternas, os dias irão passar e nossas crianças irão perder a inocência e quando notarmos: _Cadê elas? Se tornaram adultas e nós... 
Não deixemos de cuidar do mais importante, não deixemos que tirem antecipadamente a inocência das crianças, não percamos tempo com o nada quando é nelas que se encontra o tudo." 
                                                                 Dag Veloso

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Dag Veloso em: O espetáculo!

A vida é um grande espetáculo e nem todos vêm pra assisti-lo mas para atuar. 
Eu, porém, um dia estive na platéia e, sem história, sem identidade, só aplaudia ou vaiava. 
Me parece que um dia precisaram de mim pra atuar e me colocaram no centro do palco com um papel importante e tive que aprender a sorrir, chorar, cantar e dançar conforme o desenrolar da história. Acontece que eu não imaginei que iria me apaixonar por esse palco e tento não pensar no momento em que as cortinas venham a se fechar. 
Mas toda história tem um fim e isso ocorre pra que novas histórias comecem, dando chance à novos espectadores de se tornarem atuantes nesse lindo palco: a vida. 
Eu amo tanto tudo isso!!!!!

Dag Veloso

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Lucro ou prejuízo?


Há 7 anos fui diagnosticada com um câncer na medula, com mieloma múltiplo. Triste isso? 
Poderia ser mas não é, hoje estava pensando em tudo que vivi antes do mieloma e no que vivo após ele. 
Se nunca tivesse tido essa doença provavelmente estaria presa ao mundo vazio que vivia e casada com um homem indiferente a tudo que se relacionava à mim, com as mesmas amizades e sem conhecer novas experiências.
O mieloma me causou dor mas essa dor me trouxe vocês, cada uma das amizades que fiz e toda mão estendida que encontrei jamais teria feito ou encontrado se não fosse a experiência com o câncer.
Não estou fazendo apologia de nada, nem de sadios e nem de doentes, apenas olhando ao redor, olhando o outro lado da moeda ou os prós de cada situação.
Pra cada lágrima que derramei nos últimos sete anos eu ganhei um amigo; pra cada dor, uma nova chance; pra cada medo, uma nova esperança.
Com toda certeza contabilizo mais lucros do que perdas e sou grata à todos os meus amigos que aqui fiz, aos que fiz fora daqui, aos que já eram meus amigos, à minha família, à minha família do coração, aos que me amam em geral, vocês são parte do meu batalhão de guerreiros.
Queria colocar alguns nomes aqui mas seria injusta porque, com certeza, não caberiam tantos nomes então, no geral, agradeço à todos vocês por tanto carinho e amor..
OBRIGADA!
Um grande beijo.
Dag Veloso

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Coragem ou loucura?



Ontem à noite, falando com uma amiga, ela me disse que me acha louca, não foi a primeira pessoa que me disse isso, tem uma meia dúzia que pensa assim também.

Quer saber?

Com todo respeito; não tô nem aíiiiiiiiiiii!!!!!


Se sou corajosa ou louca, a maneira como vão me rotular não me importa, eu vivo de acordo com o que a vida me propõe.

Não tenho essa de daqui cinquenta anos, não tenho essa de daqui uns meses quando estiver de alta, não existe daqui um tempo, tem que ser hoje.

Nem tudo eu faço hoje mas algumas oportunidades me aparecem e se não as aproveitar não sei quando terei novas chances.

Medo?

Claro que tenho medo, existem coisas que são verdadeiros desafios pra mim e não sou o tipo de pessoa que gosta de desafios, sou muito sossegada, só que algumas coisas a gente tem que encarar pra não passar a vida em branco.

Eu não posso passar a vida deixando traumas me seguirem, não é porque algo não deu certo ontem que não dará certo hoje.

Se toda vez que algo me assustou eu recuasse eu não sairia mais no portão de casa, houve momentos em minha vida que tive medo de sair na rua, de ver gente, de encarar o dia, houve dias em que o céu por mais azul que estivesse, me parecia cinza e hoje estou aqui, olhando pela janela do meu quarto um céu perfeito num dia quente com uma brisa deliciosa, um dia maravilhoso que Deus nos deu e que me traz novas esperanças, novos desafios...

Eu estou pronta pra viver essa segunda feira em meio aos meus medos e traumas sem que eles me dominem, expulsando cada um, momento a momento.

E você?

Está vivendo?

Pois viva; viva hoje e pare de julgar quem vive diferente de você, cada um escolhe a maneira como quer passar seu dia e não significa que vive menos do que quem escala uma montanha, é a vontade de respirar, a maneira de encarar a vida e as expectativas que nos diferenciam de quem não vive.

Essa sou eu, Dag Veloso

A vida me propondo isso, eu encaro!!! rsss 


segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Doação

Faz tempo que não falo de doação, creio que já esteja na hora de começar com minhas campanhas, as minhas particulares onde tenho o mesmo efeito que um grão de areia na praia, contudo um grão com outros grãos formam toda aquela delicia sob nossos pés...
Hoje a doação é de atenção, eu estava meio carente hoje e tive tanta atenção e carinho como sempre tive mas estava precisando de um chamego a mais e como sempre obtenho o carinho e amor de meus amigos fiquei pensando nas pessoas que não tem essa mesma sorte.
Então pensei: Por que não fazer uma campanha de doação de atenção?
A cada dia mais e mais pessoas adoecem, elas estão morrendo a cada instante em suas tristezas e solidão e qual será a causa de tantas doenças?
Eu estou vencendo um dia após o outro, mês a mês e ano após ano, surpreendendo todas as expectativas contrárias, por que será?
Tive tanta atenção das pessoas, coisa que para pessoas famosas é comum mas não para anônimos como eu. Lembro que tiveram que impedir as visitas em meu quarto de hospital, até estranhos vinham me ver e conhecer, me dar apoio e força mesmo parecendo que não passaria daqueles dias.
Será que atenção pode ser parte de um antidoto para as doenças da alma?
Será que pode ser um componente importante do remédio para as doenças físicas também?
Eis minha proposta de hoje:
Vamos doar atenção?
Repare no seu amigo, repare em quem se senta ao seu lado no ônibus, que te custa dar um sorriso?
Repare na sua mãe que cozinha muitas vezes com alguma dor e você nem fica sabendo.
Olhe para as pessoas como parte de você, continuação dos seus sentimentos, prolongamento da sua vida, somos como elos, não tem como desunir, quando se faz isso as coisas não dão mais certo, a força não é a mesma.
Doe atenção!
Doar faz bem a quem doa tanto quanto a quem recebe!
Doe!

Dag Veloso



quinta-feira, 21 de junho de 2012

Quando criança


Quando eu era criança tudo era objetivo a ser alcançado:
Queria conversar de igual pra igual com os adultos, ser ouvida, também queria me sentar no banco dianteiro do carro, ao lado do motorista mesmo, nem chegava a pensar em dirigir o carro, pra mim só o fato de estar ali à frente já me fazia uma pessoa significativa.
Também me lembro que ir à padaria sozinha me fazia querer seguir até o mercado e se eu fosse até o mercado queria ir até uma loja de departamentos sozinha.
E quando eu brigava com meus irmãos e me sentia a última bolacha do pacotinho; pensava:
Não vejo a hora de ter 18 anos pra morar sozinha!!!
Quando minha mãe me fazia lavar mais louça que o Alex, meu irmão, então era suficiente pra eu pensar que ela o amava mais que a mim.
E na vez que meu pai me deu um tapa no braço? 
Foi a única vez que ele me bateu em toda minha vida, só tinha 9 anos e, me lembro bem, ele me bateu injustamente pois o culpado da bagunça não era, nem de longe, eu mesma! rssss
Também lembro que quando ganhei a boneca mais legal da época, eu orava toda noite pedindo pra Deus me deixar levá-la pro céu comigo... kkkkkkkkkkkk
Como disse tia Suzel: Ela foi é pro beleléu!!!
Me lembro da minha bicicleta cor de rosa, mesmo sendo rosa meus irmãos que não eram preconceituosos detonaram a coitada!! Se soubesse que eles não teriam preconceito, teria pedido a preta que eu queria....
Lembro-me de quando minha mãe tinha que sair e eu me sentia a responsável pelos meninos, mandava e desmandava só porque era a mais velha.
E quando me ajuntava com o Alex pra "brincar" contra o Douglas que era o xodó da mamãe... kkkkkkkk Tadinho!!! Ele era tão lindo que não tinha como não ser o xodó, mas a gente só queria saber de pegar o lugar dele... por fim veio o Abraham.
Bem, ele não chegou a tirar o lugar do Douglas mas era o xodó de todos, o menino mais fofo do mundo!!!
Também me lembro do Alex aprendendo a tocar guitarra e creiam ou não, aprendeu sozinho. O pior é que ele solava o tempo todo um trecho de um rock que já nem lembro e nem quero tentar lembrar... rsss. 
Alex e eu brigávamos por nada, parecia coisa de explosão química... curioso aquilo! 
Lembro quando meu pai ia pra São Paulo toda madrugada de domingo pra segunda (quando vinha nos ver pois não morava com a gente), eu ouvia o carro dele esquentando e chorava quieta debaixo das cobertas pedindo pra Deus protegê-lo na viagem e em todo o tempo que fosse permanecer por lá.
Ainda consigo chorar por isso, acreditam?
Também teve uma vez que minha mãe demorou pra voltar da casa de uma vizinha que nos vendia leite da fazenda dela, morava ha poucas casas da nossa  mas eu entrei em pânico e coloquei os meninos de joelhos pra orarem junto comigo... kkkkkkkkkkkk Ela chegou e nos viu em prantos e ficou com cara de espanto, creio que nunca vira tamanha idiotice em sua vida, ou talvez, tanto amor e preocupação.
Agora essa é hilária: Todas as manhãs eu me deitava no carpete do escritório onde ficava a única TV de casa pra assistir o Bozo e sempre estava comendo bolachas recheadas, o cômico é que não entendia porque as bolachas que eu mais gostava, as waffles, caíam nos meus olhos enquanto as comia, parecia uma guerra contra mim, talvez não quisessem ser comidas por mim, sei lá!!! Agora as redondinhas ou mesmo aquelas quadradinhas bonitinhas e gostosinhas que já não vemos tão frequentemente, vinham pra minha boquinha sem relutar... kkkkkkkkk O pior de tudo é que demorou bastante tempo pra eu saber que existia a tal da gravidade!!!
Que loucura!!!
Que inocência!!!
Que maravilha!!!
Quando eu era criança não tinha ideia dos caminhos que percorreria, não imaginava as lágrimas que derramaria, nem as dores que sentiria mas quando eu era criança tinha fé, pura e simples como deveríamos sempre ter, pois em nenhum de meus sonhos entravam as lágrimas, dores e nem caminhava por lugares desconhecidos.
Quando eu era criança, era exatamente como deveria ser por toda vida, inocente, pura e honesta, cheia de vida e bela na essência.
Que saudade de ser criança. 

Hoje cresci, vivi tudo que pensava ser tão impossível quando criança, vivi até mais do que imaginei, muito mais mesmo só que a saudade da inocência, da juventude me faz sentir que o melhor da minha vida eu vivi naquela época. 
Os dias são muito preciosos, não almeje tanto o amanhã senão perde seu presente e quando se der conta estará chorando por tudo que desperdiçou em vez de sorrir por tudo que viveu. 
Ame viver, não tem coisa mais bela do que a dádiva da vida. 

Dag Veloso



sábado, 2 de junho de 2012

O novo dia raiou



Ainda na euforia pela felicidade de estar livre de drogas e tratamentos pesados ñ consigo dormir... Estou feliz mesmo; sorrindo e rindo à toa, como uma paixão, só que esta pela pessoa certa (rsss): EU, ou seja, minha vida.

Estou pensando naquele vale que mencionei outro dia, acabo de fazer a curva e já começo a avistar a linda paisagem.

O horizonte que antes eu não via agora já iluminado está pois o NOVO e mais belo dos dias raiou.
******
Muitas vezes eu tive medo. Nem todos entendem mas meu medo era maior do ser humano do que da própria doença, nem sempre foi ela que anunciou o fim da minha vida... O mieloma me trouxe ensinamentos, me fez entender o valor que minha vida tem, me trouxe onde estou...o mieloma foi a fornalha que me purificou. Conheci pessoas maravilhosas, tantas que ajudei com incentivo que muitas vezes à mim faltava, pessoas que apoiaram minha causa ou que se motivaram ao me conhecer, também tantas que me ajudaram de diversas maneiras, surpreendentes até. Não poderia olhar apenas o que me foi tirado sendo que no final das contas o lucro foi muito maior.
Numa postagem de ontem mesmo eu disse que não sabia se gostava ou somente odiava a situação em que me encontrava.
Eu me referia a doença que, lógico, preferia não ter mas quando penso em tudo que aprendi, aprendo e aprenderei me sinto ingrata em dizer isso.
Passei por situações que outras pessoas também passam, muitas escolhem passar por elas murmurando o tempo todo, outras preferem notar as flores nascendo.
Algumas vezes eu murmurei, esbravejei e questionei, outras vezes esqueci as dores e paquerei...rsss.
Pois é, eu paquerei; homens bonitos, inteligentes e também aquela vitrine do lindo vestido vermelho que não pude comprar...rsss. E mais: - Quando que alguém que se entrega chora de emoção porque está pilotando uma moto?
Eu vivi muitos dias na incerteza, contudo ainda assim os vivi.
Cada molécula existente em mim clama por vida e exalta quem a mim a entregou.
Eu me sinto feliz porque hoje estou viva e com a esperança de que amanhecerei ainda mais viva.


Dag Veloso



terça-feira, 29 de maio de 2012

Divulgando uma boa causa



Não é só uma simples divulgação de causa, é a divulgação da minha causa também.
Como todos sabem sou portadora de mieloma múltiplo há 7 anos e cada medicamento que aparece prometendo uma melhor e maior sobrevida é de grande importância e esperança pra mim.
Gostaria que todos os meus amigos e seguidores do blog divulgassem essa causa acessando o blog abaixo e gritando conosco, numa mesma voz o pedido de liberarem esse medicamento.
Isso é muito importante pra mim.







Eu e outros pacientes de Mieloma Múltiplo estamos lutando para que a ANVISA aprove o medicamento Lenalidomida (Revlimid) no Brasil. Este medicamento pode aumentar nossa sobrevida.



Criamos um Blog, com a ajuda de amigos (não pacientes) e estamos convidando a você e aos seus familiares para conhecê-lo, também, gostaríamos que divulgassem para o maior número de pessoas, pois quanto mais acessos, mais estarão nos ajudando: http://wwwasagadospacientesmm.blogspot.com.br/



Nosso objetivo, além da aprovação deste medicamento, é montar um Cadastro Nacional de Pacientes de Mieloma Múltiplo, para tanto, temos uma página no Facebook de nosso amigo e, também, paciente Raimundo Bruzzi: Pacientes de Mieloma Múltiplo.



Em nosso Blog, estamos adicionando toda informação importante sobre Mieloma Múltiplo e cuidados com o paciente. Em nossa página no Facebook, estamos solicitando a todos os pacientes e familiares, que publiquem seus depoimentos (sintomas, diagnósticos, tratamentos, transplante(s), remissão, recidiva, etc.). Se alguns de vocês forem familiares de pacientes que, infelizmente, vieram a óbito, mesmo assim, o depoimento de vocês é de grande valia para nós. Quanto mais depoimentos, denúncias e esclarecimentos, mais pacientes serão ajudados.





A Saga dos PacientescomMieloma Múltiplo

wwwasagadospacientesmm.blogspot.com

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Aproveite o seu presente!!

Acordei mais uma manhã.
Pra contrariar as estatísticas, os laudos médicos e as expectativas dos menos otimistas, mais uma manhã após exatos seis anos e onze meses do diagnóstico do câncer.
Contudo estava pensando se lucro mais um dia ou se ando a caminho do fim deles.
É certo que iremos alguma hora então por que dizer mais um dia?
Bem, eu creio que mais um dia na maravilhosa companhia de mim mesma.
Ops!!! Não foi brincadeira, não!
Afinal quem mais me faz companhia do que eu mesma?
Não importa a situação nem circunstância, estou sempre presente comigo mesma e é por isso que digo que devemos ser resolvidos intimamente com o que chamamos FELICIDADE.
Devemos ser boas companhias primeiramente pra nós mesmos e depois isso irradia pra quem ao nosso lado estiver.
Hoje minha mente está trabalhando redobrado, acordei cedo e já com os pensamentos a mil. Fiquei ouvindo o delicioso "barulho" do silêncio da manhã e pensando na minha vida e o que fiz dela.
Tenho muitas frustrações também, assim como todos eu as tenho, sim, só que estava fazendo uma continha de cabeça e cheguei a conclusão de que o saldo não está negativo, até que me saí bem.
Eu poderia chorar um monte aqui, dizer todas as coisas que sofri nos últimos 7 anos mas de que me adiantaria isso?
O que me faz feliz é pensar que passei por tanta coisa, dentre elas muita dor física e emocional mas estou aqui, inteira. Passei por tudo com dignidade e PASSEI, FOI, ACABOU...
O que houve ontem já passou, não interessa mais, as dores se acabaram e me serviram pra me impulsionar pra frente, do jeito que estou e sou.
Eu ando ansiosa pelo porvir, tenho plena consciência disso e enquanto estou ansiosa perco o brilho das estrelas, perco o canto dos pássaros e a vida vai passando e meus dias apenas sendo subtraídos.
Quando percebemos e entendemos que não adianta pensar no amanhã pois este só à Deus pertence a vida fica mais leve.
Ok, ok... eu sei que daqui uns dias vou estar ansiosa de novo, sou ser humano também, viu?
Mas é isso que nos faz seres pensantes, mesmo na instabilidade agimos como seres racionais e temos o direito disso; livre arbítrio, lembra?
O dia está lindo, aproveite-o independente da sua situação, porque qualquer situação te grita: VOCÊ ESTÁ VIVO!!!

Dag Veloso




sexta-feira, 20 de abril de 2012

Tristeza

Hoje um grande vazio se instalou em meu ser, procurando o que fazer e o que dizer não me foi possível encontrar absolutamente nada.
Estou como que num vale escuro e frio, buscando o que me aqueça. 
Contudo mesmo em meio à minha solidão meu ser implora por vida. 
Mas o que é a vida senão um sopro que num certo momento cessa? 
Injustiça!!
Deus é injusto?
Não ousaria dizer tal coisa entretanto existe no meu coração um protesto contra o fim da vida. 
Não quero nem pra mim e nem pra ti, o fim não deveria acontecer. 
Missão? 
Quem pode dizer que este ou aquele terminou sua missão? 
Quando foi que me entregaram algo pra fazer? 
Ora, já não sei de mais nada. 
Tudo que percebo em mim é uma grande repulsa pela morte, não a aceito, especialmente à quem amo. 
Sentirei sua falta.
É tudo que posso dizer agora. 

Dag Veloso






Claudio e Natanael sentirei falta de vocês, pena que não pude dizer o quanto os amava. 
Tive tempo mas não deu tempo. 


domingo, 15 de abril de 2012

Autoaceitação

Falo muito sobre aceitação porque é algo que sempre me perturbou. Sempre quis ser aceita e me esforço pra isso mas não importa o quão aceita eu seja sempre é pouco.
Nessa tentativa de ser especial para as pessoas me esqueço que os outros me são especiais e talvez se esforcem tanto ou mais que eu pra o serem.
Quando eu era criança nunca fui aceita na turma popular, sempre me sentava no fundo e meus amigos eram os excluídos assim como eu.
Não me queixo mais, entendo que isso fez de mim o que sou hoje, foi parte do aprendizado.
Quando conto isso as pessoas se surpreendem, especialmente quando mostro fotos de quando era criança e o mais odioso é que não importava o quanto minha família e amigos diziam que eu era bela porque na escola era tratada como feia e nisso cria. Disse odioso porque sei que isso tudo era significativo demais e se tornou uma marca na minha vida, algo que está sempre comigo.
A questão que quero levantar aqui é:
Por que é mais fácil crer no que nos magoa? Por que o negativo é sempre e tão facilmente aceito?
Foi só no colegial quando eu já trabalhava que passei a gostar de estudar e percebi meu potencial.
Quanto tempo perdido ouvindo os outros!!!
Lembro-me que um dia cheguei em casa triste e contei à minha mãe que os meninos zombavam da minha boca e não entendi (naquele momento) porque ela ria e dizia que os homens quando crianças zombam daquilo que mais irão gostar quando crescerem.
É, hoje eu sei que minha boca é bonita e nenhum homem me chamou de beicinho de modo pejorativo.... rsss
Hoje é simples contar que sofremos bullying, coisa que antes a gente tinha medo de dizer, de repente estourou como uma tendência em moda.
Mas contamos que ainda sofremos?
Quantas situações passamos em que nos calamos e não deixam de ser consideradas bullyings?
Eu mesma passei por situações com a família de meu ex namorado, coisas que a mãe dele disse direta e indiretamente à mim, coisas que prefiro nem contar. Pois é! Assim somos. É mais fácil lidar com o que já passou do que com o que ainda passamos. Embora algumas pessoas devemos ignorar e simplesmente deletar, nem valem o comentário.
No fim entendo quem não me aceitou ou não me aceita por qualquer motivo que seja, até porque os motivos nunca são reais, são apenas tentativas de justificar as atitudes. Alguns discriminam pessoas por sua cor, crença, maneira de se vestir, sotaque, gírias, estilo de vida, time de futebol, estatura, peso e tudo isso porque no fundo eles mesmos não se aceitam e têm medo de promover diferentes pessoas e perderem seu status, sua marca ou sei lá o quê.
Eu entendi uma coisa essa semana: _Sou diferente pra caramba!!!
E isso não significa que sou melhor ou pior mas que sou eu mesma.
As pessoas tentam nos mudar porque pensam existir apenas um jeito de ser feliz. Se autoafirmar diante da sociedade não nos traz felicidade, autoaceitação nos faz feliz.
Muitos dizem: "Eu sou mais eu"
Será que são?
Está todo mundo preocupado em ser aceito da maneira errada, usam máscaras, se disfarçam de "legais" e no fim o que são ninguém sabe, nem mesmos eles.
No meio de pessoas diferentes de mim ainda sei o que sou e o que quero, especialmente o que não quero e não tento me adequar à ninguém e menos ainda exigir que se adequem à mim. O diferente não é ruim e dá pra viver e conviver com as diferenças, é até divertido...
O que posso garantir é que cada um é feliz a seu modo até porque a felicidade sempre e está em nós, quem busca em outro lugar nunca a achará.


Dag Veloso


sexta-feira, 13 de abril de 2012

Bem-vindo à Holanda

Eu estava tentando dormir e não conseguia - dor de cabeça -  então peguei o livro pra continuar lendo e agora estou aqui escrevendo o que sinto. Tudo que sei fazer é escrever meus sentimentos e me faz tão bem partilhar com você.


"Frequentemente, sou solicitada a descrever a experiência de dar à luz a uma criança com deficiência - uma tentativa de ajudar pessoas que não têm com quem compartilhar essa experiência única a entendê-la e imaginar como é vivenciá-la. Seria como... Ter um bebê é como planejar uma fabulosa viagem de férias - para a Itália! você compra montes de guias e faz planos maravilhosos! O Coliseu. O Davi de Michelângelo. As gôndolas em Veneza. Você pode até aprender algumas frases em italiano. É tudo muito excitante.
Após meses de antecipação, finalmente chega o grande dia! Você arruma suas malas e embarca. Algumas horas depois você aterrissa. O comissário de bordo chega e diz:
_Bem-vindo à Holanda!
_Holanda!?! - Diz você. _O que quer dizer com Holanda!?! Eu escolhi a Itália! Eu devia ter chegado à Itália. Toda a minha vida eu sonhei em conhecer a Itália!
Mas houve uma mudança de plano de voo. Eles aterrissaram na Holanda e é lá que você deve ficar.
A coisa mais importante é que eles não te levaram a um lugar horrível, desagradável, cheio de pestilência, fome e doença. É apenas um lugar diferente. Logo, você deve sair e comprar novos guias. Deve aprender uma nova linguagem. E você irá encontrar todo um novo grupo de pessoas que nunca encontrou antes. É apenas um lugar diferente. É mais baixo e menos ensolarado que a Itália. Mas após uns minutos, você pode respirar fundo e olhar ao redor, começar a notar que a Holanda tem moinhos de vento, tulipas e até Rembrandts e Van Goghs.
Mas, todos que você conhece estão ocupados indo e vindo da Itália, estão sempre comentando sobre o tempo maravilhoso que passaram lá. E por toda sua vida você dirá:
_Sim, era onde eu deveria estar. Era tudo o que eu havia planejado!
E a dor que isso causa nunca, nunca, irá embora. Porque a perda desse sonho é uma perda extremamente significativa. Porém, se você passar a sua vida toda remoendo o fato de não ter chegado à Itália, nunca estará livre para apreciar as coisas belas e muito especiais sobre a Holanda."                                                                                        Emily Perl Knisley, 1987 

Texto extraído do livro: "Frases, dicas e histórias maravilhosas 10" de Orlando Nussi.

Estava lendo esse livro e me deparei com essa história.
Além de outras tão lindas quanto, essa me tocou em particular.
Já me senti muitas vezes na Holanda. Em várias situações me senti como que enganada pela vida, estando onde não desejava, onde nem pensava estar um dia.
Mas nem sempre estive em lugares tão lindos quanto a Holanda, muitas das vezes minha aterrissagem fora em lugar totalmente destruído por guerras e pestes.
Hoje posso dizer que cheguei à Holanda, provavelmente não irei à Itália, já não é meu sonho.
Depois que você passa pela desolação de um "país" destruído consegue ver beleza em qualquer outro "país".
Também já estive com as malas prontas pra uma viagem e o voo nem levantou.
Hoje traço novas rotas, embora não saiba ainda onde irei desembarcar, consigo crer que será um lugar perfumado como a Holanda, isso já me basta.

Dag Veloso

segunda-feira, 9 de abril de 2012

Gabriel, meu anjo!

Diferente da novela, o dia que decidi cortar meus cabelos e raspar a cabeça não houve uma linda música de fundo, o único som que ouvi foi o do silêncio; o meu silêncio e o controle extraordinário pra não chorar naquele momento. 
Foi em julho de 2005, o dia não sei, nunca marquei no meu diário e nem comentei sobre o assunto lá e nem precisaria, o momento nunca seria esquecido mesmo! 
Pedi que tirassem o espelho de meu quarto pra que não me visse daquele jeito, ao menos, sem que me preparasse pra aquilo. 
Quando tia Suzel terminou eu me levantei lentamente e com meu andador segui até o quarto ainda em silêncio, percebia que meu priminho de apenas 5 anos vinha me seguindo, ainda me controlando pra não chorar me sentei à beira da cama e o olhei. Ele estava também em silêncio e com a expressão de espanto tive que arriscar a pergunta:
_Fiquei feia, né Gabi? 
Corria o risco ali de ouvir um sim, já que sendo criança naturalmente diria a verdade e longe de mim crer que estava bela daquele jeito mas sua resposta me surpreendeu e ainda hoje me encanta. Simplesmente respondeu exatamente isso:
_Não Daguinha, ficou linda! 
Cai num choro entre soluços e ainda hoje me emociono ao me recordar daquele momento. 
Foi um dos momentos mais significativos da minha vida e o que ele me disse, nunca esquecerei. 
O Gabriel e sua irmã, Letícia, respectivamente de 5 e 10 anos, foram os mais doces e eficientes remédios que me foram ministrados, foram de total importância pra minha recuperação. 
Eu sempre digo que quando estamos doentes temos que ser cercados de crianças e boas pessoas, isso faz toda diferença. 
Gabriel é meu anjo e eu amo muito essa criança. 
E sou tão grata por ter uma vasta coleção de declarações de amor, tenho mesmo muita sorte. 

Dag Veloso



domingo, 8 de abril de 2012

Nos tornamos belos

É notável como, ao descobrirmos uma doença grave como o câncer, nos tornamos belos, também heróis e fortes.
Rótulos.
Você é o que faz ou vive. Ninguém que se aproxime pra te conhecer vai se importar com seu jeito de se comportar, com sua sensibilidade diante de outras pessoas mas logo irá querer saber o que faz. A sua identidade está relacionada diretamente com o que faz ou tem. Somos assim, preconceituosos por natureza, ensinados subliminarmente a nos tornarmos alguém como se fôssemos nada.
A frase agora deveria ser: Eu não entendo!
Infelizmente eu entendo perfeitamente, também agia assim.
Quando adoeci essa foi uma das lições que aprendi, porque foi quando começaram a me rotular de maneira diferente, coisa que muito me incomodava.
Lindos; lindos elogios mesmo! Mentiria se dissesse que não os gosto mas me incomodavam quando as pessoas usavam esses elogios pra justificar meu azar, como se por tê-los tivesse que pagar o preço, o ônus do bônus.
Mas ao receber a notícia de um amigo que está com leucemia e já em tratamento, me dei conta de que mesmo conhecendo a beleza do ser humano que ele é de repente o enxerguei mais belo, como uma venda que caiu de meus olhos e foi quando entendi o que as pessoas diziam sobre mim.
Realmente numa situação como essa nos tornamos mais belos, a sensibilidade e humanidade sufocada pelos antigos rótulos se libertam, é a transição de qualidades fúteis e irreais pelas essenciais.
Já escrevi algo sobre isso antes, mencionando minha irritação sobre esses elogios "descabidos" mas ainda não tinha entendido que eles não são apenas falta do que dizer, creio que nem mesmo quem os diz saiba da veracidade deles.
Mas todos esses "rótulos", essas reais qualidades estão em mim e em você mas estão reprimidas pelas falsas ideologias, pelo que nos foi ensinado ao longo de gerações.
Não temos câncer porque somos heróis, fortes ou belos e iluminados, sempre fomos tudo isso mas foram as situações adversas da vida que nos mostraram claramente quem somos, não espere que essas situações cheguem à sua vida pra descobrir quem você é.
Descubra-se e se torne belo ainda hoje.

Não sou ninguém porém sou alguém, 
Você é alguém porém ninguém.
O que somos, então? 
Cada um deve encontrar dentro de si a verdadeira beleza, 
o que realmente é e jamais deixar de lado independente d quem "seja" ou tenha. 


Dag Veloso

Eu amo você

O que está por traz dessa frase?
Eu amo você.
Já parou pra pensar no peso que ela tem?
Algum dia uma pessoa me disse que o fato de eu me declarar tão facilmente pra todos eu banalizava o amor.
O que é banalizar? Algo importante que acabou se tornando rotineiro, esse é um dos conceitos de banalizar...
O amor é muito importante mas deveria ser algo rotineiro também, algo que se diz frequentemente e com sentimento real, ou seja, deveria ser sentido rotineiramente.
O amor é como a fé, ele promove frutos, não dá pra amar e não ter retorno, assim como não dá pra ter fé e não receber uma benção esperada, é consequente, uma coisa puxa a outra, é tão verdade que a Bíblia diz isso em I Coríntios 13:13 "Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três; porém o maior destes é o amor" (o capítulo que mais amo na Bíblia), eu sigo o amor. Siga o amor!
Mas estava pensando em tudo que envolve a declaração do amor.
Nessa palavra podem estar ocultas diversas histórias sentimentais, algumas que jamais serão explicadas, nem poderão ser descritas em palavras.
Você tem dimensão do que pode estar por trás do verdadeiro amor?
Quanto sentimento se é suficiente pra ser considerado amor?

Quanto se pode amar?
Como medir o amor?
Muitas pessoas criam mitos em cima de outras e enquanto acreditam no que querem se declaram, quando se torna comum tal qual a si mesmas então retiram tudo que entregaram àquela pessoa, como se fosse ela a culpada da decepção que, sem saber, causou. Isso é amor? Será que é?
"O amor é paciente, é benigno, o amor não arde em ciúmes, não se ensoberbece, não se orgulha, não se conduz inconvenientemente, não busca seus interesses, não se irrita, não se ressente do mal, não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade, o amor tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta, ele jamais acaba..." I Corintios 13:4-8
Exite muita coisa por trás do amor, todas são verdades as ilusões não constituem amor e sim, paixão, alguns não percebem o quanto podem causar danos com seus devaneios.
E é aí que pensei em chegar:
Conheço pessoas que são tão próximas que dizem amar e não se doam sendo que o amor é uma entrega mútua embora sem cobranças. Bom, deveria ser assim!
Mas conheço pessoas que, como eu, dizem amar até quem nunca viu e se doam, se entregam à esse sentimento, tornando uma troca espontânea de bons sentimentos, bastante agradável, totalmente sem cobranças e plenamente ideal.
Tenho conhecido pessoas assim, pessoas que me mostram que não sou única, que existem mais pessoas que, felizmente, "banalizam" o amor.
Amar mesmo sem conhecer, se amar ao próximo for banalizar esse sentimento então eu tô dentro, banalizando meeeeesmo!
Eu tenho desejado muito ajudar pessoas ao contar minhas experiências, algumas vezes me expus de maneira, pra alguns, vergonhosa. Muitos me recriminaram mas não me arrependo, ajudei alguns que me valeram cada lágrima. Acho que quando diz na Bíblia que Deus recolhe cada uma de nossas lágrimas num odre ou vaso e um dia nos consolará, creio que Ele transforma nossas lágrimas em prêmios quando ousamos chorar em público mostrando nossa fragilidade e sentimentalismo.
Sei que poucos me vêem chorar literalmente, mas minhas lágrimas estão embutidas em cada palavra que escrevo.
Seguir o amor não é procurar incessantemente uma paixão até que a encontremos, não é ter alguém que nos acompanhe, seguir o amor é servir de acompanhante pra quem necessitar.
Hoje entendo que o fato de eu estar "sozinha" não significa solidão, significa que eu vou acompanhar muita gente em suas lutas e tristezas, também consolar lágrimas parecidas com as minhas, coisa que talvez não fizesse se tivesse apenas uma pessoa ao meu lado.
Hoje acordei com um sentimento misto, oscilava entre tristeza e felicidade, um tipo de melancolia.
Eu não sei bem o que irá me acontecer no dia de amanhã mas a única coisa que digo é que pra cada pessoa que disse amar, verdadeiramente eu amei e o que se esconde por trás das minhas frases de declaração de amor é um sentimento puro e verdadeiro.
Gostaria de poder ajudar todas as pessoas, resolver seus problemas, saber sempre o que dizer ou como proceder mas não posso, tudo que posso dizer agora é que eu sempre tentei e nunca percam a fé, Deus sempre enviará quem os possa ajudar.
Pra você que me lê: Eu amo você.

e sou eu, na minha totalidade de alma, que assino embaixo...
Dagmar da Silva Andrade Veloso

terça-feira, 3 de abril de 2012

segunda-feira, 2 de abril de 2012

Felicidade

O que é a felicidade?
Já parou pra pensar nisso com maior cuidado?
Bem, hoje enquanto eu trabalhava estava pensando nisso, uma conversa com um amigo me despertou pra esse pensamento.
Cada dia que passa ouço e até mesmo leio mais e mais sobre a louca busca pela felicidade.
Onde ela está, afinal?
Quando você pensa que a encontrou não demora muito e logo vê que não está lá também, é assim?
Se está infeliz com alguém a solução é buscar outrem. Depois que troca uma pessoa pela outra e se depara com a infelicidade outra vez, se vê de volta à sua caminhada na árdua busca pela felicidade.
O que te parecia ser tão lindo de repente vira um pesadelo e até saudade do que viveu antes acaba sentindo.
Você quer algo novo e enquanto não o tem pensa que aquilo te fará tão bem que poderá esquecer de certos problemas, logo que o conquista se decepciona com o fato de que aquilo não preencheu teu vazio.
Você ainda está só consigo mesmo, não importa se tem família, filhos, não importa quão acompanhado esteja, ainda está só.
Precisa e deseja encontrar a felicidade.
E o que é a felicidade?
Ela é uma constante troca de situações ou coisas?
Não é?
Então por que as pessoas estão sempre fazendo "trocas" em nome da felicidade?
Eu tenho visto, e não é de agora, que as pessoas estão desistindo facilmente umas das outras porque, na verdade, estão apoiando suas satisfações no outro.
A felicidade é um estado de espírito, não tem como buscar um estado do seu espírito no espírito de outra pessoa e não se pode fazer alguém feliz se for infeliz. Logo, a felicidade é uma grande dádiva que todos têm mas poucos sabem disso.
O mais legal é que quem tem consegue dividir, mas só dá pra dividir com quem a tiver também pois não dá pra oferecer pra quem não é feliz.
Esse estado de espírito vem do esforço particular de cada um.
É. Pensaram que ser feliz era assim fácil?
Não. Também requer decisão, força de vontade e atitude, muita atitude.
Felicidade não está na cidade vizinha, nem na esposa do vizinho, aliás, você já ouviu a expressão: - a grama do vizinho é sempre mais verde?  Então, essa expressão deve ter motivo, né?
A felicidade não está num carro novo embora seja ótimo ter um carro e ainda mais se for novinho... rsss, mas ele jamais preencherá o que falta em seu ser.
Eu analisava algumas situações de alguns amigos e familiares meus e notei como todos estão desesperados em busca dessa "felicidade" mas ninguém toma atitude em se tornar feliz, estão sempre buscando seus interesses e tudo vira uma grande competição e nem sei onde chegarão com tudo isso. É tudo uma grande loucura!!
Eu não estou dizendo isso porque não sou assim, bem, não sou mais assim mas já fui, eu sempre digo que peguei carona na vida de outra pessoa e um dia ele me fez descer e eu estava no meio de um caminho que não tinha escolhido trilhar e foi dura minha caminhada pra chegar a um lugar conhecido. Na verdade, ainda não cheguei ao meu lugar certo mas estou indo. . .
Eu aprendi que a felicidade está comigo e eu posso alimentá-la ou sufocá-la, muitas vezes acordo com real satisfação de viver, passo o dia ouvindo músicas, cantando e até dançando, tamanha é minha felicidade já em outros dias acordo mais quieta, tento me esconder pra não chatear ninguém com minha carinha de choro mesmo sem ter chorado.
Não podemos é nos equivocar quanto à real felicidade, não espere encontrar nos outros o que te pertence, ou você a tem ou não, essa responsabilidade é só sua, independe de situações, circunstâncias ou pessoas.
Sei que existem casos e casos mas o que me parece é que nos últimos tempos está tudo muito prático, não existe mais romantismo, apenas um romantismo teórico, onde se dizem coisas pra conquistar e depois ninguém lembra de mais nada, como numa ressaca, sei lá.
O que quero dizer com isso é que pra encontrar a felicidade não tem que mudar de país ou de marido, você só tem que procurar dentro de si e fazer brotá-la de novo.
É assim:
Sabe aquela coisa chamada elogio?
Primeiro você faz um elogio pra alguém que está próximo, vai perceber que haverá uma luta dentro de si pois fazer elogio à quem te maltrata parece coisa de bobo mas depois de um tempo vai perceber que seu sorriso vai lhe tomar sua face e não importando o que te façam uma beleza indescritível tomará conta de você e brilhará. E essas coisas boas irão te preencher, depois de um tempo é que você vai entender que isso é só o começo da felicidade pois uma atitude chama outra e a troca de carícias (mesmo que ditas) sempre alimenta a felicidade.
Ser feliz requer esforço.
Esforcem-se.















Dag Veloso

sábado, 24 de março de 2012

Coisas que contam histórias

Existem algumas coisas que nos contam histórias, alguns perfumes, algumas marcas de objetos, discos de vinil, fitas k7, algumas músicas - noooossa, as músicas! - são tantas que contam histórias, amo músicas! 
Hoje estava guardando algumas coisas e de papel em papel fui relendo algumas cartinhas que me acompanham há anos, algumas pessoas que já se foram e deixam muita saudade, algumas pessoas que nem sei por onde andam. . . 
Ops! Agora mesmo estou ouvindo uma música que marcou muito minha vida, Amor Perfeito. A versão que conheço é uma mulher quem canta mas não lembro quem é. Costumo cantá-la sozinha, é tão linda, sempre choro. Me reporta à épocas que nem sei bem se gosto de relembrar mas a música em si me traz felicidade, uma satisfação diferente, não sei bem como explicar. 
Mas voltando aos papéis, peguei uma pequena pintura à guache de um primo, ele fez uma casinha pra mim, era bem pequeno quando desenhou aquilo, no desenho ainda se pode ver o nominho dele; Enéas. Fiquei comovida em ver a inocência daquele desenho e já comecei a pensar na beleza que existe na vida de cada pessoa existente. 
Somos todos tão complexos, únicos e especiais e tudo é tão lindo de ser contemplado. 
Tem um pequeno texto que sei desde sempre, não sei se li em algum lugar ou se alguém me ensinou quando eu era criança mas ele está encravado no meu coração e é tão real. Diz assim: 
A TERRA ESTÁ REPLETA DE CÉU 
E TODO ARBUSTO COMUM ARDE COM DEUS
MAS SÓ AQUELES QUE ENXERGAM TIRAM AS SANDÁLIAS
O RESTO SENTA AO REDOR E ARRANCA AS FLORES. 
Esse pequeno texto que nem sei de onde tirei diz tudo, a terra está cheia da glória de Deus, de tudo de bom que existe no céu, não há como não ver beleza nela mas nem todos enxergam, os que enxergam querem senti-la e os que não conseguem ver tamanha beleza destroem o que há de mais belo nela. 
Ser apaixonada pela vida tem dessas coisas: você vê beleza até onde os outros não vêem porque, na verdade, a beleza está sempre onde seu coração estiver, isso se em seu coração houver bondade. 
Eu amo tanto a vida. 
Obrigada pelo dom da vida, Senhor!  
Você disse à Deus hoje que você é grato por estar aqui? 
Simples assim. 
Já declarou seu amor pela vida? 
Sei que as circunstâncias nem sempre são favoráveis, que muitas vezes chora lágrimas de sangue, só seu travesseiro sabe quantas você derrama ao se deitar mas em tudo dai graças. Fazendo assim, mesmo sendo muito difícil e sei que é, logo a tempestade passa e você terá momentos de alegria. 
Chorando ou sorrindo você terá que passar pelo deserto em algum momento de sua vida; chorando, você pode perder o foco e demorar mais pra sair da situação; sorrindo, você consegue passar por tudo e no final ainda fica com a impressão de que passou rápido. 
O que aprendi hoje ao pegar aquele pequeno papelzinho pintado por uma criança que hoje é pai de família? 
Aprendi a não me desfazer de coisas que contam histórias. 
Algumas coisas a gente guarda e se tornam valiosas pelo que podem nos ensinar. 

Vamos rever valores, rever conceitos, mudar opiniões, fazer melhor . . . .  sempre melhor!!! 

Dag Veloso


sexta-feira, 23 de março de 2012

Que saudade de mim!!!

Algumas pessoas evitam falar da morte, tal qual evitam falar de certas doenças... (risos). 
As doenças não são certas em nossas vidas mas a morte é, não existe maneira de fugir dela. Ando pensando muito nisso, pensar nisso sem neuroses acaba nos fazendo viver melhor. 
Absurdo isso? rss
Pode ser! 
Mas talvez aceitar a morte seja o principio de uma vida abundante. 
Passamos a vida tentando não pensar nisso e só pensamos no assunto quando estamos com uma faca no pescoço, seja essa faca uma doença ou a própria velhice, então nos entregamos como que não tendo escolha. 
Talvez entender a morte seja parte de suma importância pra vivermos melhor. 
Digo isso porque sou péssima com esse negócio do adeus, odeio pensar que o mundo deixará de ter a mim por perto.... kkkkkkkkkk 
Estou rindo mas não é brincadeira, não!!! 
Eu estava pensando nisso hoje cedo, estava visualizando o mundo sem mim, pensando no grande vazio que haveria nele . . . . kkkkkkkkkk 
Ai gente! O duro é que estou falando a verdade. Eu fiquei com saudade de mim, dá pra crer?! 
E imagina se não dei risada depois!?!? kkkkkkkkkkk 
Ainda estou rindo . . . 
Eu nem ia escrever esse absurdo aqui mas achei que o clima anda meio pesado no meu facebook e mesmo aqui no blog, talvez eu dê uma relaxada se escrever alguma idiotice. 
Mas cá entre nós... eu sou muito boa em pensar bobagens, né? 
Agora já chega de sentir saudade de mim, ainda não morri . . . (risos) 


Dag Veloso

quinta-feira, 22 de março de 2012

Divagando

Dizem que não é bom ficar divagando muito... 
Sou um ser muito pensante, nem dormindo deixo de pensar e questiono muito tudo que vejo e que, especialmente, sinto. 
Dou muito valor pro que eu sinto, dizem que faço tudo que me dá na telha, eu não era assim antes, vivia indecisa entre o que sentia e o que diziam. 
Entendi com muito custo que não importa errar, desde que sejam seus próprios erros. Lógico que preferivelmente espero só acertar mas como não dá pra saber onde as nossas escolhas vão dar então que sejam realmente nossas escolhas e não as de outros. 
Durante muitos anos as pessoas tentaram me manipular, não só marido mas também amigos e alguns parentes mais próximos, tentavam me "ajudar" a viver minha vida. Que nada!!! Besteira pura!!! 
Quando a gente se estrepa, ninguém se acusa, ficam a te olhar como se você tivesse feito a caca sozinho. 
Por isso que hoje digo, pensa bem nas coisas que tem a fazer e resolva-as por si mesmo pois as consequências quem irá sofrer será só você, mais ninguém irá te ajudar com elas, vai por mim!! 
Sei disso porque houve tempos em que nunca ficava sozinha, tinha gente sempre comigo e esses mesmos nunca me davam espaço pra que eu estivesse com outras pessoas, hoje nem ligam pra saber como estou. 
Isso acabou no dia em que eu determinei que não aceitaria os mandos e desmandos destes, foi quando me descartaram como um papel velho. 
Estou triste por isso? 
Com certeza NÃO! 
Fique feliz quando você estiver sozinho pois não encontrará melhor amigo que você mesmo; nunquinha!!! 


Dag Veloso

Ao som do violino

Hoje num momento de nostalgia ao som do violino numa música que ouvia quando criança me senti numa viagem no tempo, atravessei idade, momentos, saudosismo, tristeza, alegria...
Atravessei tudo isso em cinco minutos de música.
Que maravilha é viver e tão mágico!
Meus olhos agora lacrimejam pela emoção de estar aqui diante da tecnologia nada romântica como era com uma simples carta mas que é tão eficaz em demonstrar nossos sentimentos à quem possa interessar...
Minha vida é como uma montanha russa, cheia de emoções, num momento gritos, em outro risadas, pedidos pra parar, hora em baixo e hora em cima mas no final saio pedindo bis pois a vida é tão apaixonante, não me canso de me apaixonar, toda manhã, seja com dor ou em êxtase sempre me apaixono por ela.
Não lido bem com o fim, não me importa se vou pelo mieloma ou por outro motivo, não quero deixar a vida sair de mim, seguro-a até que já não possa mais.
A vida é tão levinha, sensível, frágil, como uma brisa que toca em minha face, às vezes sinto-a tão presente, outras vezes nem a percebo mas ela está aqui, ainda está.
Eu amo tanto viver e só Deus que está em mim percebe o quanto me vale o presente que me deu e por isso me deu várias vezes durante a mesma vida.
Nem a dor, nem o medo, nem inseguranças, absolutamente nada consegue calar meu coração diante do que sinto pela vida.
Sou eterna até que Deus diga o contrário e não há nada e nem ninguém que possa me deter pois eu com Deus somos a maioria.


Dag Veloso